A vez do cooperativismo, para o pós-pandemia

Olá Jornal
julho03/ 2020

O cooperativismo depara-se em 2020 com o momento mais importante de sua história. Um vírus desafia as respostas da sociedade e agir sozinho já não resolve o problema. Cooperar então é sobreviver. Famílias, vizinhos e nações buscam na cooperação a forma de combater um inimigo invisível cujos danos saltam aos olhos e ainda são incalculáveis.
“O que a sociedade mundial está fazendo é cooperativismo, cooperando com alimentos, máscaras, ações. Na prática, a dor nos ensina a nos unir”, avalia o presidente do Sistema Ocergs- Sescoop/RS, Vergilio Perius. Durante a pandemia, as cooperativas gaúchas já repassaram R$ 100 milhões em ações desde março.

Às vésperas de mais uma celebração do Dia Internacional do Cooperativismo, comemorado no próximo sábado, 04, a sociedade mundial dá sinais de esgotamento. Para Perius, a pandemia aliada a efervescência social, como as manifestações antirracistas, mostra que é preciso rever o caminho. “O mundo inteiro encontra-se em um condicionamento social injusto. No Brasil, por exemplo, a riqueza está mal distribuída, 9% tem 80% da riqueza isso não é um mundo econômico de igualdade”.

ESPERANÇA
Com objetivo de transformar o mundo em um lugar mais justo, feliz, equilibrado e com melhores oportunidades para todos, o cooperativismo está na medida da necessidade do mundo atual. “Agora é um grande caminho para amanhã as cooperativas terem mais lastro, compreensão e participação de mais pessoas”, afirma.

O presidente do Sescoop antevê o cenário pós-pandemia quando 30 milhões de pessoas devem se somar aos 13 milhões de desempregados no país, situação insustentável para o estado arcar como o provedor. Na área urbana, uma saída seria a construção de moradias por meio do cooperativismo habitacional. A construção de casas populares resolveria o déficit habitacional, o problema de esgoto sanitário e geraria emprego e renda. “O governo tem que ter noção que cada metro quadrado gera pelo menos três empregos e resolveria o déficit habitacional de 6 milhões de moradias”, prevê.

Na área rural, a solução passa por agregar valor à produção uma vez que a União não deve indenizar os estados com os créditos de ICMS de exportação, como estabelece a Lei Kandir. O caminho é a expansão de agroindústrias. “O país, para desenvolver, tem que se preparar para instalar novas agroindústrias para não exportamos tributação. Ao exportar, perdemos mão de obra e não vamos agregar nada ao valor porque não geramos empregos”, explica Virgílio.

EXPANSÃO
Mesmo antes da pandemia, o cooperativismo vem se destacando apesar do cenário de crise mostrando-se eficaz em áreas de queda, como na empregabilidade. No Rio Grande do Sul, o sistema empregou mais pessoas, passando de 63,8 mil em 2018 para 64,6 mil em 2019. “Nossa maior alegria é dizer que as cooperativas não desempregaram. Nos orgulha muito porque o cenário desemprego é o principal gargalo”.

O cooperativismo gaúcho chega aos 3 milhões de associados (em 2018 eram 2,9 milhões) e representa 10.1% do PIB do estado. A sobras também cresceram de R$ 2,1 bilhões, em 2018, para R$ 2,4 bilhões, em 2019, que serão redistribuídos na origem onde foram gerados.

Mais um exemplo para a sociedade no que tange a distribuição de renda. “Não há desproporção de um estado para outro como vemos hoje, conta para quem a produziu, cada um terá o seu quinhão”, conclui.