Otimismo marca inauguração da primeira fábrica da JTI na América do Sul

Olá Jornal
setembro26/ 2018

A Japan Tobacco International (JTI) inaugurou nesta quarta-feira, 26, sua primeira fábrica de cigarros na América do Sul. Com investimento de R$ 85 milhões, o negócio é um dos principais da multinacional japonesa para este ano. A fábrica está localizada em Santa Cruz do Sul (155km de Porto Alegre), cidade que acolhe grandes indústrias brasileiras e onde a JTI está desde 2009, quando iniciou sua operação com tabaco em folha no Brasil. A planta, com 10mil m², tem capacidade pare operar com quatro linhas de produção e em até três turnos.

Serão produzidas no Rio Grande do Sul as marcas Camel e Winston. Além de abastecer o mercado brasileiro, a produção será distribuída para a Argentina, Bolívia, Chile e Equador e, gradualmente, para toda a América Latina.

De acordo com Flavio Goulart, Diretor de Assuntos Corporativos e Comunicação da JTI Brasil, a decisão de investir no Brasil se deve principalmente ao alto grau de conhecimento técnico e operacional no País. “O excelente padrão da folha de tabaco brasileiro, que a JTI usa nas suas principais marcas globais também foi levado em consideração”, adicionou.

Durante a cerimônia, Flavio apresentou a trajetória de ações e investimentos da empresa no País. Já Timur Mutaev, diretor Geral de Operações da Fábrica – vindo da Rússia para atuar no projeto – ressaltou que o projeto executado está pronto para ser ampliado a qualquer momento. “Hoje estamos aqui não apenas para comemorar, investir e dar esse implemento ao mercado brasileiro, mas também às exportações para a América Latina. Estamos muito focados em seguir com os passos bem sucedidos que demos até agora”, ressaltou.

Mutsuo Iwai, Vice-Presidente da JT, holding da JTI também esteve presente. Ele fez questão de ressaltar que todo o apoio e incentivo das autoridades locais e estaduais também foi importante. “O grupo JTI teve sucesso na validação dos nossos processos e na implantação dessa fábrica. Esse é um grande passo no desenvolvimento dos nossos negócios no Brasil, que tem um excelente relacionamento com o Japão. Em 2018 comemoramos o décimo ano da emigração japonesa no Brasil. A JTI vai continuar a desenvolver relacionamentos sólidos com stakeholders brasileiros, a cidade de Santa Cruz e todas as pessoas que de alguma forma querem fazer parte disso.”

A cerimônia de inauguração contou com a presença de autoridades locais, executivos do Japão, Estados Unidos, Bolívia e Suíça que puderam conhecer a planta em uma visita guiada.

Projeto, máquinas e capacidade de produção

O projeto foi desenvolvido por um grupo de arquitetos da Alemanha, consagrado pela empresa e que já havia atuado em outros projetos da JTI pelo mundo. Durante o processo de instalação do empreendimento, normas legais do Brasil, importação de equipamentos, contratação e treinamento da equipe da fábrica foram cuidadosamente planejados.

As máquinas que integram o complexo de Santa Cruz do Sul vieram de outras afiliadas da JTI de países como Suíça, Malásia e Alemanha. Com equipamentos fabricados na Alemanha, excelência em máquinas de cigarro, e na Itália, excelência em máquinas de embalar, hoje a fábrica opera com capacidade para fazer até 8 mil cigarros por minuto, o equivalente a 400 carteiras.

Equipe globalizada

Com presença local desde 2009, a JTI emprega no Brasil aproximadamente 2000 colaboradores em centros de processamento de tabaco, de pesquisa e de distribuição. Para compor o time da fábrica foram feitas mais de 4 mil entrevistas. Entre os 80 contratados, cerca de 50 – entre operadores, engenheiros mecânicos e eletrônicos – tiveram a oportunidade de viajar para participar de treinamentos em fábricas na Rússia, Romênia, Ucrânia, Polônia e Suíça.

Segundo o vice-presidente de Leaf Suply para o Brasil, Paulo Saath, o investimento no País também acontece pela alta qualidade e experiência dos profissionais no setor do tabaco. “Investimos no Brasil mais de 500 milhões em tecnologia de ponta, bem como sistemas e equipamentos voltados à saúde e segurança dos colaboradores. Temos uma operação que recebe colegas de várias partes do mundo para trabalhar ou treinar aqui. A JTI Brasil é uma fonte de exportação de talentos para todo o mundo”, ressalta.

Além da equipe fixa no Rio Grande do Sul, há pessoas de outros países que fornecem informações e conhecimento técnico e estratégico, diferencial da empresa que está presente em 130 países e é representada por funcionários de 100 diferentes nacionalidades.

A Nova Fábrica em números

– Investimento: R$ 85 milhões
– Área total da fábrica: 10mil m²
– Empregos diretos gerados: 80
– Marcas produzidas: Camel e Winston
– 4 linhas de produção, operando em até três turnos
– Capacidade: até 8 mil cigarros por minuto, o equivalente a 400 carteiras
– Exportações: para a Argentina, Bolívia, Chile, Equador e, gradualmente, para toda a América Latina
– Operadores, engenheiros mecânicos e eletrônicos contratados tiveram a oportunidade de viajar para participar de treinamentos em fábricas em cinco países: Rússia, Romênia, Ucrânia, Polônia e Suíça

Sobre a JTI

A JTI é uma empresa líder no ramo de tabaco, com operações em mais de 130 países. É a proprietária mundial tanto da Winston, a segunda marca de cigarros no mundo, quanto da Camel fora dos Estados Unidos, e tem o maior volume de vendas de ambas as marcas. Outras marcas globais incluem a Mevius e a LD. Com a sua internacionalmente reconhecida marca Logic, a JTI também é uma protagonista no mercado de cigarros eletrônicos e, desde 2011, com o Ploom, tem presença na categoria de cigarros aquecidos. Com sede em Genebra, na Suíça, a JTI emprega cerca de 40.000 pessoas e foi premiada como Top Employer Global por quatro anos consecutivos. A JTI é parte do Grupo Japan Tobacco. Para mais informações, visite www.jti.com.

No Brasil, a infraestrutura da JTI espalhada por todo o País inclui uma unidade de processamento de tabaco no Estado do Rio Grande do Sul, além de unidades de aquisição de tabaco, um centro de pesquisas e centros de distribuição em doze estados e no Distrito Federal. A JTI estabeleceu seu primeiro escritório no País no Rio de Janeiro no ano 2000. A empresa tem parcerias diretas com mais de treze mil produtores de tabaco, que recebem localmente apoio na forma de consultoria de agronomia para garantir uma produção sustentável e de alta qualidade. O destaque das operações da JTI no Brasil fica por conta do trabalho integrado das divisões de Global Supply Chain e Market, único no mundo.

A JTI Brasil em números

• Mais de 945 colaboradores permanentes
• 1200 colaboradores JTI temporários
• 13000 fornecedores de tabaco
• Quatro subsidiárias de aquisição de tabaco: Pinhalzinho (SC), Canoinhas (SC), Pouso Redondo (SC) e São Mateus do Sul (PR)
• 13 filiais de distribuição de cigarros

Trajetória no País

• 2000: Ano de abertura do 1º escritório da JTI Brasil, no Rio de Janeiro, para venda de cigarros.
• 2009: aquisição das empresas KBH&C Tabacos e Kannenberg & Cia. Ltda., em Santa Cruz do Sul.
• 2010: Unificação das empresas para formação da JTI Processadora.
• 2011: Inauguração do Centro Mundial de Desenvolvimento Agronômico, Extensão e Treinamento (ADET), em Santa Cruz do Sul.
• 2015: Aquisição da distribuidora Fluxo, ampliando a capacidade de distribuição de cigarros no Brasil.
• 2018: Inauguração da primeira Fábrica de Cigarros da empresa na América do Sul, situada em Santa Cruz do Sul.