• Hoje é: terça-feira, setembro 19, 2017

Município gastou R$ 443 mil em medicamentos em cinco meses

Guilherme Siebeneichler
junho14/ 2017

Até maio de 2017 a Administração Municipal desembolsou R$ 443 mil em medicamentos, distribuídos de forma gratuita na rede pública de atendimento. Porém, quando comparado com 2016, o valor destinado para este fim, registrou redução de 30%. Até maio de 2016, a prefeitura tinha pago R$ 636 mil em medicamentos. Os valores constam no Portal da Transparência da Prefeitura. Apesar da redução a Secretaria Municipal de Saúde garante que não há falta de medicamentos e conta com estoque para três meses.

Os gastos maiores no ano passado, quando o Município pagou R$ 1.272.542,93, levam em consideração a troca de governo, para garantir a continuidade do estoque. Desta forma, foram destinados mais recursos para equilibrar o estoque até o mês de fevereiro. Segundo o secretário, Ramon Schwengber, o investimento em 2017 deve alcançar os patamares do ano anterior. “Apesar de buscarmos a economia em diversos setores, não temos cortes no orçamento de medicamentos. Podem ocorrer atrasos na entrega dos medicamentos, por parte das distribuidoras, mas estamos com o estoque atualizado.”

A Prefeitura de Venâncio Aires é responsável pela compra e destinação de medicamentos da rede básica de atendimento. Medicações específicas são de responsabilidade da Secretaria Estadual de Saúde, porém, distribuídas pelo Município. A coordenadora do departamento de compras, Beatriz Vogel, explica ainda que mesmo os remédios disponíveis nas farmácias populares, a Administração mantém nos itens oferecidos. “Neste caso, destinamos os mesmo medicamentos para os postos de saúde do interior, para evitar que a população precise vir até a área urbana,” ressalta.

O coordenador dos postos de saúde, Lucas Rios, destaca que além do estoque, o Município faz o encaminhamento de medicamentos que são custeados pelo Estado. “Essa demanda chega para nós e enviamos a Coordenadoria Regional de Saúde, em Santa Cruz, inclusive nos casos com decisão judicial.”

COMPARAÇÃO
Se a diminuição dos gastos para a compra dos medicamentos alcança 30% em um ano, quando comparado com os desembolsos efetuados em 2015, o percentual é de 18%. Isso porque, naquele ano, o governo local gastou R$ 360.447,21 com remédios em cinco meses. No histórico, 2016 foi o ano com mais investimentos deste tipo, no mesmo período.

Ainda em 2014 os valores pagos com este tipo de serviço foram de R$ 352.975,86. Um ano antes, até maio de 2013, o governo havia pago R$ 335.059,40. Já no último ano do primeiro mandato de Airton Artus (PDT) foram gastos R$ 264.741,96.

COMPRA COLETIVA
Entre as novidades para utilização do Consórcio Intermunicipal de Serviços do Vale do Rio Pardo (Cisvale) estará a compra de medicamentos. A proposta é de reduzir despesas e melhorar os investimentos na área. O trabalho já está em andamento e poderá oportunizar a compra coletiva para as 13 cidades que compõem o consórcio. As prefeituras estão repassando aos representantes do grupo listas dos principais medicamentos para análise de preços.

“As compras em quantidade maior poderão resultar em preços mais competitivos. Vamos avaliar os valores e firmar ou não as compras. É um avanço e estamos interessados nestas novas opções de gestão dos recursos públicos,” argumenta Schwengber.

Por meio do Cisvale o Hospital São Sebastião Mártir (HSSM) também está realizado exames e procedimentos médicos. Ao invés dos pacientes de Venâncio e microrregião se deslocarem à Santa Cruz, o trabalho poderá ser realizado na casa de saúde local. Além de mais serviços na rede pública, o Município economiza em transporte dos pacientes.