MDA garante apoio a fumicultores na COP7

Janine Niedermeyer
agosto03/ 2016

O secretário especial de Agricultura Familiar e Desenvolvimento Agrário, José Ricardo Roseno, com status de ministro do Ministério do Desenvolvimento Agrário (MDA), esteve nesta terça-feira, 2, acompanhado de sua equipe técnica, participando de reunião da Comissão Interestadual do Fumo na sede da Federação dos Trabalhadores na Agricultura do Rio Grande do Sul (Fetag), em Porto Alegre.

Diversas lideranças da Confederação Nacional dos Trabalhadores na Agricultura (Contag) e dos três estados do Sul, além de políticos, todos diretamente interessados em defender os fumicultores, participaram do encontro.

Dois assuntos diretamente ligados ao tabagismo – a 7ª Conferência das Partes para Controle do Tabaco (COP7) e a Resolução 4.483, do Banco Central, que restringe o financiamento do Pronaf ao produtor. Segundo a Fetag, esses dois gargalos foram bem encaminhados.

O presidente da federação, Carlos Joel da Silva, considerou a reunião como um marco de uma nova relação com o MDA, em especial nesta questão do fumo, até então inexistente em sua opinião. “O MDA vem mais aberto. O nosso pedido é que o MDA defenda os agricultores e não ideologias. Que o MDA seja a Casa do Produtor lá em Brasília, onde os problemas que por lá chegarem tenham ressonância e, consequentemente, quem os solucionem. Essa porta aberta, com o posicionamento do ministro e sua equipe, traz um novo momento para a agricultura familiar no Rio Grande do Sul”, projeta.

Em função do posicionamento que Roseno trouxe, Joel acredita que ainda nesta semana seja revogada a Resolução 4.483 e com isso os agricultores possam ter a tranquilidade de ir ao banco buscar financiamento para a diversificação da cultura tabageira. Ele afirmou que sua equipe é favorável e está trabalhando forte na revogação e que ainda nos próximos dois dias haverá uma reunião neste sentido.

COP7

O dirigente ainda destacou como positiva a manifestação em relação à COP7, que abre um novo momento à discussão. “Se vamos vencer o centro de governo são outros quinhentos, mas teremos uma condição até então inexistente, de sentar e discutir o que os agricultores desejam. O Brasil sempre levou à COP apenas o posicionamento da saúde e hoje nos é dada a oportunidade, através do ministro, de abrir o diálogo com a representação dos produtores. A Fetag não é contra a criação de restrições ao cigarro, porém enquanto houver fumantes haverá produtores”, enfatizou.

Roseno garantiu apoio. “Estaremos lá na Índia, em novembro, defendendo os interesses dos fumicultores brasileiros. Discutimos hoje estratégias para a elaboração de um cronograma de atividades, que aconteçam nos próximos meses antes da COP7”, prometeu.

Fonte e foto – AI Fetag/RS