• Hoje é: quarta-feira, novembro 20, 2019

Mato Leitão é a única cidade da região com crescimento migratório

Olá Jornal
agosto06/ 2019

O Rio Grande do Sul tem a menor taxa de crescimento populacional do país. Além do aumento da população de idosos, o estado vê o grupo de pessoas potencialmente ativos (15 aos 64 anos) diminuir. Isso ocorre porque parte desta faixa demográfica segue para outras regiões do país ou para o exterior. O território gaúcho é fechado para as trocas migratórias, pois tem baixos percentuais de emigrantes e principalmente de imigrantes. Na região, Mato Leitão é a única cidade da região que aparece na lista dos 20 municípios gaúchos com maior crescimento populacional relativo em oito anos (2010-2018).

A Cidade das Orquídeas registrou no período um crescimento de 15,43%. Do Vale do Rio Pardo é a única a aparecer, diferente do Vale do Taquari que tem quatro cidades na lista (Santa Clara do Sul, Colinas, Lajeado e Fazenda Vilanova). A pesquisa mostra o interesse destes municípios, ou para se tornarem cidades dormitório, ou pela atração de mão de obra qualificada para atuação em segmentos específicos.

Os dados foram compilados pelo Departamento de Economia e Estatística (DEE) da Secretaria de Planejamento, Orçamento e Gestão. Segundo a relação, Mato Leitão em 2017 possuía 4.549 habitantes. No período, a variação absoluta de novos moradores é de 608, entre os anos de 2010 e 2018. A cidade com maior crescimento populacional relativo no estado é Arroio do Sal, no Litoral Norte, que possui 9.854 habitantes, mas no período registrou crescimento de 24,70%.

IMPACTOS
Historicamente o Rio Grande do Sul apresenta déficit migratório, causando, apenas em 2018, diminuição de 0,12% da população. Em Santa Catarina, por exemplo, o processo foi inverso: cresceu 0,41%. O saldo migratório passa a ter um papel ainda mais relevante uma vez que a maioria dos migrantes é formada por pessoas de 20 a 35 anos, que estão no começo de seus períodos produtivos. O estado, segundo o levantamento, tem um grande desafio, após superar as questões fiscais, tornar-se capaz de atrair novos investimentos, reduzir a burocracia estatal e estimular a inovação, com a proposta de atrair jovens para o território gaúcho.