Mal-estar entre delegação do Brasil e deputados na COP7

Guilherme Siebeneichler
novembro09/ 2016

O encerramento do terceiro dia da Conferência das Partes da Convenção-Quadro para o Controle do Tabaco (COP7) não foi amistoso. A decisão da coordenação do evento na Índia de restringir o acesso aos espaços de discussões não agradou os deputados estaduais que viajaram até o país para acompanhar as discussões sobre o tratado mundial. Nesta quarta-feira, 9, a delegação oficial do Brasil na conferência se reuniu com os representantes da cadeia produtiva do tabaco. A exemplo do que ocorreu no primeiro dia do evento, prefeitos, deputados estaduais, entidades representativas e organizações não-governamentais, participaram do encontro.

O chefe da delegação, embaixador brasileiro na Índia, Tovar da Silva Nunes, fez um relato dos debates ocorridos nos dois últimos dias, afim de atualizar o grupo. Ao abrir para perguntas, o deputado Edson Brum (PMDB) questionou a decisão do Brasil em não se opor a proposta de restringir a participação do público na conferência das partes. “O Brasil ficou de cócoras para os outros países e não foi contra a esta proibição. A delegação brasileira poderia ter tido um posicionamento diferente, primando pela transparência deste evento.”

O tom da fala do deputado peemedebista não agradou o embaixador. “Não aceito o seu registro, acho que não é esse o diálogo que estamos nos propondo aqui. Não posso aceitar este tom junta a delegação que tem se envolvido bastante nas discussões da COP,” destacou Nunes, ameaçando abandonar o encontro se o diálogo seguisse no mesmo caminho.

Ofendidos pela recusa do embaixador, os deputados, Adolfo Brito (PP), Pedro Pereira (PSDB) e Brum deixaram a sala da reunião. Zé Nunes (PT), foi o único parlamentar a continuar no encontro, e argumentou que a delegação brasileira precisa avaliar todos os aspectos da cadeia produtiva. “Estamos dispostos a debater e participar, estou querendo olhar o todo. É louvável a decisão do embaixador de realizar estas reuniões paralelas.”

Os deputados têm solicitado maior transparência no evento. Apesar de saírem do Brasil sabendo que não tinham direito a participação na conferência, os parlamentares tentaram garantir credenciais e acompanhar as discussões. A cena do abandono da reunião foi acompanhada pelos jornalistas que cobrem o evento, incluindo a agência Reuters.

NOVO ENCONTRO

Nesta quinta-feira, 1o, os representantes da cadeia produtiva do tabaco terão encontro na embaixada brasileira. Além de buscar ampliar o diálogo com o diplomata brasileiro, a reunião objetiva tratar sobre alternativas de comércio internacional. A agenda foi articulada pelos prefeitos e representantes da Comissão de Agricultura da Assembleia Legislativa.

DEBATES

A delegação brasileira garantiu que a COP7 não trará medidas restritivas ou de eliminação do plantio de tabaco no Brasil. O país tem discutido ações e medidas globais voltadas a área da saúde, mas quer preservar os interesses econômicos e dos produtores de tabaco.