Magistério protesta na vinda do governador à Venâncio

Guilherme Siebeneichler
outubro27/ 2017

O governador José Ivo Sartori foi recebido sob protestos de professores de Venâncio Aires e região quando chegou para abertura da Colheita do Tabaco, em Picada Nova. Mais de 100 docentes participaram do ato que ocorreu em frente a propriedade anfitriã da solenidade e em coro, pediam ‘fora Sartori’.

De acordo com a diretora do 18º Núcleo do Cpers/Sindicato, Marione Drebel, a categoria decidiu realizar o ato pacífico para demonstrar a insatisfação com a atual condução das negociações pelo governo, bem como, a decisão de parcelamento dos vencimentos. “É uma forma de pressão a este governo porque nos desrespeita, não nos recebe nas negociações, envia secretários que nada sabem sobre o assunto e, além disso, nos afronta com esta decisão de permitir a realocação de alunos”.

De acordo com a professora, a realocação de alunos trata-se de uma estratégia do governo para enfraquecer a greve que já chega a 53 dias. “Olha a crueldade deste governo. Não dialoga, não traz proposta e retira alunos das escolas que decidiram fazer greve”, avalia. Marione ainda lamenta que demais escolas estejam recebendo estudantes de educandários grevistas e questiona a possibilidade de um sistema que está lotado, agora possuir vagas para estes alunos. “Lamento que enquanto alguns guerreiros estão resistindo alguns colegas aceitam os alunos. Lamento que nossa categoria se presta a fazer esse papel.”

CAJ RETORNA

A escola Cônego Albino Juchem decidiu retomar as aulas de forma integral a partir de segunda-feira, 30. A escola já perdeu 70 alunos desde que o governo permitiu a realocação entre escolas estaduais, na semana passada. Marione afirma que o movimento entende a posição do educandário que resistiu até o momento e que começa a sentir os efeitos da perda de alunos. “Os colegas se assustam devido a redução de carga horária, e entendemos o momento delicado pelo qual estão passando”.

A diretora do 18º Núcleo do Cpers/Sindicato reconhece o enfraquecimento do movimento, mas garante a continuidade da greve. Esta é a posição da regional a ser levada para a assembléia geral, na terça-feira, 31, às 10h, em Porto Alegre. Além disso, o indicativo é de realizar ações de resistência ainda mais fortes.

GOVERNO

Questionado sobre a greve, ao fim da solenidade da colheita, o governador não falou sobre o assunto e sua assessoria indicou o secretário da agricultura, Ernani Polo, para responder à imprensa. “A gente reconhece as manifestações que são legítimas. Ninguém gosta, como o governador Sartori não gosta, não deseja passar por esta situação, mas as circunstâncias em que ele assumiu o estado levaram a isso”, afirma.

Para Polo, o Estado faz o que precisa ser feito para garantir no futuro melhores condições a todas as categorias. “O governo do estado vem fazendo um esforço nessa travessia para construir uma situação melhor de futuro. Toda equipe de governo tem buscado o equilíbrio financeiro para que no futuro possamos pagar em dia os servidores todos em geral e mais, ter condições de poder valorizar mais e melhor os servidores, em especial os professores porque cumprem um papel na formação da sociedade.”

Durante a visita do governador, a Câmara de Vereadores de Venâncio Aires entregou uma moção de apoio à ele para que negociações sejam agilizadas e a greve encerrada.