• Hoje é: sexta-feira, dezembro 15, 2017

Lavouras brasileiras são foco do terceiro dia do Agro-Phyto

Guilherme Siebeneichler
outubro25/ 2017

Desde o dia 23, representantes de 22 países estão em Santa Cruz do Sul para o Agro-Phyto 2017, do Centro de Cooperação para Estudos Científicos em Tabaco (CORESTA). Nesta quarta-feira, técnicos, engenheiros agrônomos, fitopatologistas, geneticistas, pesquisadores, professores universitários e profissionais ligados ao setor participaram da programação que iniciou pela manhã, no auditório central da Universidade de Santa Cruz do Sul (Unisc) e encerrou à tarde com visitas a três propriedades rurais da região.

O presidente do Sindicato Interestadual da Indústria do Tabaco (SindiTabaco), anfitrião do evento no Brasil, e diretor-presidente do Instituto Crescer Legal, Iro Schünke, falou aos presentes sobre os resultados da entidade no combate ao trabalho infantil e no incentivo à gestão das pequenas propriedades.

“No Brasil, menores de 18 anos são proibidos de trabalhar em algumas atividades no meio rural, estando o tabaco nesta lista. Nos últimos 20 anos temos trabalhado para combater o trabalho infantil no meio rural e o Instituto Crescer Legal é uma consequência direta deste trabalho. Durante nosso trabalho percebemos que as oportunidades para os adolescentes são parcas no meio rural, atraindo-os para o trabalho irregular. Pensando em mudar este cenário, nasceu o Instituto Crescer Legal, iniciativa do SindiTabaco, com o apoio de pessoas de diferentes áreas, sendo algumas delas relacionadas ao setor, outras da área da educação e da aprendizagem”, afirma Schünke.

Schünke explicou os bons resultados do Programa de Aprendizagem Profissional Rural, que já formou 48 adolescentes e que formará outras duas turmas de jovens rurais nos próximos meses. “O grande objetivo é desenvolver esses adolescentes, oferecendo a construção de um projeto de vida no meio rural por meio do melhor uso dos recursos da propriedade e da comunidade em que estão inseridos e, ao mesmo tempo, combater o trabalho infantil”, diz Schünke. “Em 2018 teremos a continuidade do programa em sete municípios, com a participação de 140 jovens de áreas rurais”, afirmou.

Outros programas relacionados à sustentabilidade do setor foram apresentados durante a manhã, seguidos por temáticas mais técnicas. A manhã também contou com uma sessão de pôsteres e após o almoço o grupo de cerca de 250 pessoas partiu para visitas em três propriedades rurais de Santa Cruz do Sul, Vale do Sol e Vera Cruz. As visitas ocorreram alternadamente e tiveram como objetivo demonstrar in loco aspectos relacionados à produção de tabaco, como o uso de técnicas conservacionistas, tal como o uso do plantio direto que vem crescendo muito no Brasil e já corresponde a 70%. Também foram apresentados os diferentes sistemas e unidades de cura do tabaco, técnicas de produção e manejo de mudas, práticas de incentivo ao reflorestamento e preservação de matas nativas, e orientações ligadas à saúde e segurança do produtor, como o uso do EPI e da vestimenta de colheita, além do depósito e descarte das embalagens de agrotóxicos.

SAIBA MAIS – O Agro-Phyto é um evento de cunho científico. As pesquisas apresentadas são relacionadas às áreas de agronomia e fitopatologia e abordam experimentos sobre produção de sementes, mudas, fertilização, tratos culturais, cura e armazenamento do tabaco, controle de pragas e doenças, redução e substituição de agrotóxicos, além da produção sustentável do tabaco. A edição de 2017 conta com representantes de 22 países e 72 trabalhos, sendo 60 apresentações orais e 12 no formato de pôster. O evento é promovido pelo Centro de Cooperação para Estudos Científicos em Tabaco (CORESTA), associação sem fins lucrativos, fundada em 1956, cujo propósito é promover a cooperação em pesquisa científica relativa ao tabaco e seus produtos derivados. A principal atividade consiste em produzir e tornar público boas práticas, relatórios científicos seguros e métodos analíticos robustos, e ainda estabelecer uma rede de contatos para os cientistas. Os membros do CORESTA são fabricantes, universidades, institutos de pesquisa, fornecedores de componentes ou equipamentos, laboratórios independentes ou do governo, associações, etc. Os associados estão sediados em mais de 40 países e representados em mais de 50 por meio de suas subsidiárias e afiliadas. No site www.coresta.org, é possível acompanhar as deliberações do CORESTA.