• Hoje é: sexta-feira, setembro 21, 2018

Geração de energia solar é projetada pela Prefeitura em prédios públicos

Olá Jornal
abril14/ 2018

A Prefeitura de Venâncio Aires quer reduzir a conta de energia dos prédios públicos, que por ano chega aos R$ 3,3 milhões. A alternativa encontrada, além de campanhas para economizar, é de criar micro usinas fotovoltaicas, assim como os contribuintes estão fazendo em residências. Para isso, o Governo Municipal contará com estudo técnico da Fundação Getúlio Vargas (FGV) Energia, com o objetivo de apontar potencialidades e formas de captar os recursos.

Uma das viabilidades é buscar financiamento de até R$ 5 milhões, para aquisição dos materiais que irão operacionalizar as unidades em prédios de escolas, postos de saúde e sede administrativa. A proposta consta no planejamento estratégico da Administração Municipal para 2018. Nesta semana, o prefeito Giovane Wickert (PSB), visitou a sede da entidade no Rio de Janeiro para ouvir as potencialidades do projeto. “Venâncio pode ser referência neste tipo de ação. Vamos avaliar o estudo feito pela FGV e buscar a implantação. Poderemos economizar recursos e ainda gerar energia e no futuro ganhar créditos na conta,” argumenta.

O projeto também foi apresentado na primeira reunião-almoço da Caciva nesta terça-feira, 10. Se forem captados todo o valor para financiamento, a expectativa é de economizar o valor em até cinco anos. A partir de agora o Executivo avalia formas de colocar em prática a iniciativa e fomentar a compra dos equipamentos. A proposta também avaliará em quais locais a estrutura poderá ser aplicada, com o objetivo de melhorar a autonomia municipal na geração de energia.

TENDÊNCIA
Em dezembro do ano passado, a Comissão de Minas e Energia da Câmara dos Deputados aprovou alíquota zero de Imposto sobre Produtos Industrializados (IPI) para coletores ou painéis solares usados no aquecimento de água e na geração de energia. A proposta também determina o uso de energia solar nos prédios do governo federal construídos após a aprovação da lei.

O texto aprovado determina que os prédios públicos a serem construídos prevejam instalação de equipamentos solares com capacidade de gerar energia equivalente a 10% do consumo de eletricidade previsto. Se não for possível instalar os painéis solares no prédio público, eles deverão ser instalados de forma remota, dentro da mesma área de concessão ou permissão de distribuição de energia elétrica.

AFUBRA
A Associação dos Fumicultores do Brasil (Afubra) também anunciou a construção de um usina de energia solar para abastecer o parque da Expoagro, em Rio Pardo. No futuro, o projeto deverá ser ampliado para atender a demanda energética das filiais da entidade. Neste ano, a Afubra passou a comercializar equipamentos para este tipo de operação.