• Hoje é: domingo, maio 20, 2018

Falha na entrega de medicamentos na prefeitura são alvos de sindicância

Olá Jornal
maio10/ 2018

O prefeito de Venâncio Aires determinou a abertura de sidicância para apurar a falta de medicamentos na farmácia municipal. Giovane Wickert (PSB) destaca que a investigação pretende mapear as falhas e garantir melhor efetividade no sistema de compra, armazenamento e entrega dos materiais para os pacientes.
Desde o ano passado são registrados problemas e falta de medicamentos na rede pública de saúde. O Governo Municipal destaca que não há falta de recursos, porém, existem problemas na entrega das mercadorias. A situação é explicada pelo secretário municipal de Saúde, Ramon Schwengber. “Algumas empresas que ganharam a licitação para a venda de medicamentos não estão entregando os produtos e por vezes preferem pagar as multas por não cumprimento do contrato.”
A determinação de investigação também se alia ao crescimento de reclamações pela falta de remédios na rede pública de saúde. O problema não é novo, mas encontra dificuldades para ser resolvido. “Estamos avaliando, inclusive com o Jurídico, formas de aumentar as multas para as empresas que não cumprem os contratos. Além disso, há inclusive falta de remédios nos próprios laboratórios,” destaca o secretário.
Para o prefeito, a sindicância pretende analisar os métodos de controle de estoque, os pontos de distribuição e o gerenciamento dos produtos incluídos na farmácia municipal. “É uma forma de analisar todos os processos, ver onde podemos aprimorar e apontar os problemas que estão causando a falta de medicamentos. Não há falta de recursos para este tipo de compra, isso precisa ficar claro. Vamos averiguar onde há problemas,” argumenta Wickert.

GASTOS E ESTOQUE
Ainda em abril a secretaria preparou um relatório sobre a falta de medicamentos no município. Nove produtos enfrentam dificuldades para serem entregues (Carbamazepina líquido, Carvedilol , Cinarizina, Diazepan, Enalapril, Furosemida, Ibuprofeno, Nistatina creme e Prometazina). A falta destes medicamentos afetam 2.898 pacientes, segundo relatório do poder público municipal.  A expectativa é de normalizar a distribuição até junho.