• Hoje é: quinta-feira, julho 19, 2018

Estudo para reduzir custos com resíduos em Venâncio será concluído em maio

Janine Niedermeyer
abril21/ 2017

Com o propósito de fazer economia com os investimos aplicados na coleta de resíduos sólidos em Venâncio Aires, a Prefeitura está em vias de apresentar estudo que pretende reduzir o número de containers instalado na cidade.
O trabalho técnico vem sendo feito pela Secretaria Municipal do Meio Ambiente a pedido do prefeito Giovane Wickert. “Hoje investimos em torno de quase R$ 500 mil por mês. Desde o primeiro dia que ele assumiu me deu essa tarefa de nós baixarmos os custos desse lixo”, relata o secretário Clóvis Schwertner.

Uma das linhas a ser trabalhada pela pasta parte da conscientização da comunidade na forma de manejar os materiais orgânicos, pois hoje praticamente toda coleta vai para o aterro sanitário de Minas do Leão.

“Se nós conseguirmos diminuir a carga de orgânico, uns 30%, estaremos ganhando quase R$ 1 milhão por ano, que se pode investir esse dinheiro no Hospital, na UPA, enfim, hoje é um dinheiro que vai embora e quem arca com isso são os municípes”, salienta Clóvis.

Nesse propósito, o Meio Ambiente quer divulgar junto da população composteiras práticas de montagem, especialmente para espaços como apartamentos. “Nós vamos ter uns 5/6 tipos de composteira que futuramente vamos mostrar para comunidade. Ainda estamos na fase de estudos, mas está bem encaminhado e queremos apresentar, se for possível, na semana do município (maio)”.

Dentro dessa proposta de compostagem o governo também planeja o processo de compensação do Imposto Predial e Territorial Urbano (IPTU), para que já haja a reflexão em 2018. “Então temos um pouco de tempo ainda, caso não consigamos apresentar agora na semana do município, temos até agosto”.

CONTAINERS

Um dos pontos principais, para uma economia com resultados mais imediatos, está a possibilidade de redução no número de containers. Este estudo, segundo o secretário Clóvis Schwertner ainda não foi concluído, mas aponta para três tendências: Deixar como está a atual situação, reduzir em 20% o número de containers ou redução em 40%.

Em meio a isso, o titular da pasta afirma que as medidas englobam uma decisão política, uma vez que a comunidade já se acostumou com as estruturas. Clóvis afirma que atualmente o Município paga R$ 540 por mês para cada unidade e são 250 containers.

“Isso dá acima de R$ 100 mil por mês que nós gastamos. Se ele está cheio ou não é o mesmo preço. E outro detalhe, estes conteiners só estão no perímetro urbano da cidade, no centro. Os bairros e periferias não tem”, destaca o secretário que estima para até 20 dias a definição do que será implementado.

Foto: Maicon Nieland