Estiagem deve seguir até o fim deste mês, aponta relatório do estado

Olá Jornal
março06/ 2020

O governo do Estado estima que o cenário adverso seguirá pelo menos até o fim deste mês, intensificando a condição de alerta. A ausência de chuva constante e volumosa nas últimas semanas e a previsão de tempo seco na maior parte de março contribuem para esse cenário pessimista.

No início de janeiro, 14 municípios já haviam decretado situação de emergência em razão dos prejuízos causados pela escassez de chuva. Até a tarde desta quinta-feira, 05, esse número estava em 129 — 31 já foram reconhecidos pela União. O trâmite garante ações de socorro para amenizar estragos. Na quarta-feira, 04, o decreto de Venâncio Aires foi homologado pelo Governo Estadual. Agora, o poder público local espera o reconhecimento federal. Na cidade, os prejuízos somam mais de R$ 50 milhões, principalmente na agricultura.

Segundo a Defesa Civil no Estado, as regiões Sul, Central, da Fronteira Oeste e do Vale do Rio Pardo estão entre as mais afetadas pela falta de chuva. Os estragos atingem desde a agropecuária até o desabastecimento em localidades rurais, que costuma utilizar açudes e cacimbas no manejo.

PRÓXIMOS DIAS

A próxima semana permanecerá sem chuva na maior parte do Estado, de acordo com o Relatório Oficial Nº 8, elaborado pela Secretaria da Agricultura, Pecuária e Desenvolvimento Rural (Seapen), Emater-RS e pelo Instituto Rio Grandense do Arroz (Irga).

Até o domingo (8/3), a presença do ar seco manterá o tempo firme, com grande amplitude térmica em todas as regiões, com temperaturas mais baixas na madrugada e valores acima de 30°C durante o dia. Somente na Serra do Nordeste e no Litoral, poderão ocorrer pancadas de chuva, fracas e isoladas. Entre a segunda (9/3) e a quarta-feira (11/3), a passagem de uma frente fria no oceano favorecerá o aumento da nebulosidade sobre o Estado, mas as pancadas de chuva permanecerão fracas e com baixos volumes acumulados.

Os totais previstos de chuva deverão ser inferiores a 10 mm na maioria das regiões. Apenas nos Campos de Cima da Serra e no Litoral Norte os valores deverão oscilar entre 10 mm e 20 mm.