• Hoje é: terça-feira, julho 23, 2019

Diretor técnico do Hospital São Sebastião Mártir participa da sessão da Câmara de Vereadores

Olá Jornal
julho03/ 2019

Com a chegada das baixas temperaturas e as mudanças climáticas, os problemas de saúde também aumentam os atendimentos no Hospital São Sebastião Mártir (HSSM). A superlotação da casa de saúde, por alguns períodos, pautou a sessão da Câmara de Vereadores nesta segunda-feira, 1º de julho. O diretor técnico do hospital, Guilherme Fürst Neto, apresentou dados e respondeu questionamentos dos parlamentares.

Inicialmente ele explicou o funcionamento do Pronto Atendimento do HSSM. “São cerca de 6 mil atendimentos ao mês realizados no Pronto Atendimento. Este setor cumpre muito bem a sua função, em especial o de emergências. Cerca de 700 atendimentos ao mês são classificadas para atendimentos de rápida necessidade.”

Segundo o gestor da unidade hospitalar, a maior parte dos atendimentos envolve baixa ou média emergência. Porém, o maior volume pode ser atendido também na Unidade de Pronto Atendimento (UPA). “Nossa UPA tem capacidade e um fluxo de atendimentos muito mais voltada para consultas de baixa complexidade. Procurar este serviço melhora os atendimentos e evitam a superlotação da emergência do hospital.”

CAPACIDADE
Com 130 leitos de internação por meio do Serviço Único de Saúde (SUS), a capacidade do hospital também atinge a sua maior demanda. Neste sentido, a vereadora e enfermeira Izaura Bergmann Landim (MDB) questionou o diretor técnico sobre planos para ampliar o número de leitos disponíveis no sistema público. “Gerir um hospital é muito delicado, envolve muitos fatores. Atualmente a nossa situação financeira não permite aumentar os leitos,” respondeu Fürst.

NOVIDADES
Em até 90 dias devem ser contratados novos profissionais para o corpo clínico do HSSM, além de um novo modelo de atendimentos no Pronto Atendimento. “Para a clínica médica daqui há 90 dias vamos adotar novos profissionais para aumentar a vazão de atendimentos. Isso passa também pela discussão do financiamento dos recursos. Com tempo vamos conseguir atender a nossa demanda. Venâncio merece e precisa de um hospital maior e melhor, é nisso que trabalhamos diariamente,” destacou.