Convênio pendente do Estado para obras em Linha Sapé será honrado, garante Leite

Olá Jornal
março10/ 2020

Nesta segunda-feira, 9, o Chefe do Executivo da Capital do Chimarrão aproveitou a agenda do Governador Eduardo Leite em Santa Cruz do Sul, e pediu atenção especial a pauta do asfaltamento de Linha Sapé. Na ocasião, Giovane Wickert fez a entrega de um relatório sobre o projeto e enfatizou a importância do cumprimento do contrato firmado em 2018 e do compromisso assumido pelo Governo da época com o Município, que se comprometeu com a comunidade de realizar esta obra, aguardada há mais de 60 anos.

Leite destacou que soluções estão sendo buscadas para que sejam liquidados os convênios herdados da gestão passada. Em 2018, foram empenhados R$ 15 milhões. Já no orçamento deste ano constam R$ 10 milhões. E, segundo Leite, faltam R$ 20 milhões para honrar todos os convênios pendentes, entre eles o da pavimentação asfáltica da estrada de Linha Sapé.

A conversa de Wickert e Leite ocorreu após o evento Tá na Hora, da Associação Comercial e Industrial de Santa Cruz do Sul (ACI) onde o Governador palestrou para um público de empresários e lideranças regionais. Depois do evento, ambos Gestores acompanharam uma visita à empresa Philip Morris.

Empresa refaz pontos da obra

Nesta segunda-feira, 9, operários da Empresa Avantte, de Santa Cruz, voltaram a trabalhar na obra de asfaltamento do trecho de 5,75 quilômetros de Linha Sapé. Na sexta-feira, 6, a empresa esteve no local realizando testes. Com isso, nesta segunda-feira iniciaram os trabalhos de correção em pontos que não alcançaram o resultado esperado pelo Departamento Autônomo de Estradas de Rodagem (Daer) em avaliação feita ainda em janeiro.

Após refazer as irregularidades e a compactação do rolo, uma nova vistoria será realizada pelo Daer. Depois de passar a viga, a Estatal solicita exige o período de 30 dias para testes de rodagem no local. Se os resultados forem positivos, a empresa responsável pela obra então fará a colocação da brita graduada compactada e, na sequência, a camada asfáltica da primeira etapa que corresponde a pouco mais de um quilômetro.

Na sexta-feira, moradores da localidade participaram de uma reunião com o Executivo e Legislativo, onde expuseram a preocupação quanto a continuidade da obra, que segundo eles, estaria ‘parada’ há 30 dias. O aporte de recursos para a pavimentação também gerou dúvidas na comunidade.

No entanto, ao lado de engenheiros e da Secretária Municipal de Planejamento e Urbanismo, o Prefeito Giovane Wickert, explicou que o montante correspondente ao Município, o valor de R$ 2.340.447,70, está garantido e até o momento tem sido utilizado para o andamento da obra. “Não é por falta de dinheiro que os trabalhos paralisaram no local por alguns dias, até porque todo o trabalho feito no local até agora foi com os recursos de contrapartida do Município; mas por conta da morosidade da etapa que compete a empresa e ao Daer, de avaliar, esperar 30 dias para ver a qualidade do que foi feito e refazer alguns trechos. Essa demora para ver o asfalto também nos incomoda, podem ter certeza de que nós estamos juntos nessa luta, essa obra precisa acontecer, andar.”

Mas Wickert também adiantou que compartilha da mesma preocupação que a da comunidade: o aporte de recursos por parte do Daer, que corresponde a R$ 4.247.279,69 para a sequência e finalização da obra.  A busca pela liquidação do convênio do Município e Estatal motivou o Prefeito a encaminhar a demanda ao Governador do Estado, Eduardo Leite.

CRÉDITO: Coordenadoria de Comunicação e Marketing PMVA