Clube do filme terá nova sessão no dia 12 de novembro

Janine Niedermeyer
novembro01/ 2016

A próxima sessão do Clube do Filme de Venâncio Aires trará para debate a repressão do Estado contra o negro. Essa é a base do filme “Branco sai, Preto fica”, escolhido para exibição no próximo dia 12 (sábado), junto ao Museu, que fica na rua Osvaldo Aranha, em frente à agência FGTAS/Sine.

A programação ainda terá o horário confirmado, mas está prevista para ser após às 16h, em função da Conferência Municipal de Cultura, que ocorre na mesma data. O longa proposto para exibição quer marcar a passagem do 20 de novembro, Dia da Consciência Negra no Brasil e como forma de valorizar o cinema nacional.

HISTÓRIA
“Branco sai, Preto fica” foi lançado em 2014, com direção de Adirley Queirós, tendo recebido premiações, incluindo o de melhor filme no 47º Festival de Brasília. A produção traz a história de uma noite de 1986 que não acabou: aquela em que a polícia reprimiu com violência um baile de black music na Ceilândia, cidade-satélite de Brasília, deixando uma porção de feridos.

A frase que dá título ao filme saiu da boca de um policial naquela noite fatídica. Os brancos podiam ir embora, os pretos fi cavam para apanhar. Além do longa em exibição dia 12, a proposta de reproduzir
curtas-metragens será inserida nesta segunda sessão do Clube.

O primeiro a ser mostrado deverá ser “Entre Nós”, que é um curta produzido pelo venâncio-airense Maciel Fischer, que estudou cinema na Universidade Federal de Pelotas e lançado em maio de 2015, tendo o curta sido selecionado para diversos festivais internacionais e dentro do Brasil.

Foto: Reprodução