• Hoje é: quinta-feira, agosto 22, 2019

Câmara Setorial da cadeia produtiva do tabaco chega a sua 60ª reunião

Olá Jornal
agosto01/ 2019

O presidente do SindiTabaco (Sindicato Interestadual da Indústria do Tabaco), Iro Schünke, participou da 60ª Reunião da Câmara Setorial da Cadeia Produtiva do Tabaco, nesta quarta-feira, 31 de julho, em Brasília. Representantes do setor do tabaco e do Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (MAPA) debateram temas como a utilização de drones na agricultura e no cultivo do tabaco, o PLS 769/2015, os impactos do acordo comercial entre Mercosul e União Europeia e a audiência pública sobre cigarros eletrônicos que será realizada no dia 08 de agosto pela Anvisa.

Presidida atualmente por Romeu Schneider, a Câmara Setorial tem sido um momento para compartilhar informações sobre os principais temas que cercam o setor de tabaco. “Infelizmente tem sido um fórum muito mais reativo do que gostaríamos, devido à campanha antitabagista que temos enfrentado ao longo dos anos. Mas é certamente um momento para reflexões e de sinalizações importantes”, avalia Schünke.

SOBRE AS CÂMARAS SETORIAIS – Instituídas em 1998, as Câmaras Setoriais e Temáticas constituem-se em importantes fóruns de discussão entre os diversos elos das cadeias produtivas, reunindo entidades representativas de produtores, empresários e parceiros no setor, além de representantes de órgãos públicos e de técnicos governamentais. Nos encontros são discutidas questões de interesse da cadeia produtiva, tais como manejo, aplicação de defensivos, processo produtivo, comercialização e questões tributárias, e, discutidas matérias que afetam, ou podem vir a afetar o desenvolvimento e o crescimento do agronegócio brasileiro, identificando possíveis entraves que possam interferir no desenvolvimento do setor produtivo e afetar a renda do produtor rural, no sentido de indicar e apontar soluções, desde a produção até a comercialização. Atualmente estão em funcionamento 32 câmaras setoriais e 6 câmaras temáticas com a supervisão do MAPA.

CRÉDITO: Sinditabaco