Avança proposta de criar espaço para apoio aos dependentes químicos

Olá Jornal
julho14/ 2018

Nesta quinta-feira, 12, o prefeito Giovane Wickert (PSB), acompanhado dos vereadores Ezequiel Stahl (PTB), Sandra Wagner (PSB), Izaura Landim (PMDB) e representantes de secretarias, visitou Cachoeirinha e Gravataí. As cidades possuem iniciativas de comunidades terapêuticas para dependentes químicos. A proposta objetiva criar um novo modelo para auxiliar pacientes que buscam tratamento contra as drogas também na Capital do Chimarrão. O local busca garantir a ressocialização dos dependentes, a partir de ações que envolvem terapias alternativas.

Após visitar o projeto na região metropolitana, o gestor destaca que a proposta é de incentivar a criação de um espaço em Venâncio Aires. Uma organização religiosa do município já demostrou interesse em criar um entidade de apoio aos dependentes químicos. Como forma de incentivo, o Município poderá ceder uma área pública para a implantação, além de garantir auxílio financeiro no tratamento de pacientes venâncio-airenses.

“É uma proposta viável e estamos buscando formas de garantir apoio para implantar uma comunidade deste nível na cidade. Ainda precisamos avaliar as formas de incentivo. Mas temos áreas para isso e ainda formas de convênios, assim como fazemos com outras entidades,” argumenta Wickert.

INVESTIMENTOS
Conforme o prefeito, em média o custo por paciente é de R$ 1 mil. O valor poderá ser garantido pelo Governo do Estado, a partir de convênio para ações de combate à dependência química. “Estamos analisando formas de viabilizar este tipo de ação, mas podemos pensar em captações inclusive com o governo do Estado. É fundamental discutir medidas que possam colaborar neste tipo de tratamento, pensando sempre nas questões de saúde pública e suporte às famílias,” lembra.

DEBATES
O assuntou pautou audiência pública na Câmara de Vereadores no dia no dia 20 de junho. O debate contou com a participação do psicólogo, especialista em dependência química, Ricardo Valente que destacou os trabalhos e ações realizadas em comunidades terapêuticas no tratamento de dependentes. A proposta do Governo Municipal é de integrar o sistema público de saúde, aliando o Centro de Atenção Psicossocial Álcool e Drogas (Caps AD) e demais pontos de suporte do SUS. A Federação Brasileira de Comunidades Terapêuticas (Febract), destaca que a média de recuperação de dependentes é de até 40%, ou seja, de cada 10, quatro possuem recuperação após o tratamento.

FOTO: Divulgação/AI PMVA