• Hoje é: segunda-feira, outubro 15, 2018

Afubra acompanhará a COP8 na Suíça

Olá Jornal
setembro29/ 2018

O vice-presidente da Associação dos Fumicultores do Brasil (Afubra), Marco Antonio Dornelles, e o secretário da entidade, Romeu Schneider, também presidente da Câmara Setorial da Cadeia Produtiva do Tabaco, embarcam no sábado, 29 de setembro, para Genebra, na Suíça, onde irão acompanhar a 8ª Conferência das Partes (COP 8) da Convenção Quadro para Controle do Tabaco, que ocorrerá de 1º a 6 de outubro.

Segundo Dornelles, até o momento não existem indicativos de que haverá participação nos debates. Entretanto, a exemplo das conferências anteriores, a intenção é acompanhar as discussões, principalmente as provenientes da delegação brasileira, e procurar interceder sobre os assuntos que estarão na pauta do encontro. “Queremos ter certeza de que nossos fumicultores não sejam prejudicados. Para tanto, a exemplo das conferências anteriores, vamos procurar manter a cada fim de dia, um encontro com os representantes do Brasil para podermos acompanhar as discussões”, destaca.

Para Romeu Schneider é preciso estar atento ao que é debatido e definido nas reuniões. “Não permitem aos representantes dos produtores de tabaco participarem das reuniões, nem como observadores. Sempre quando solicitada a participação ou simples presença, estes invocam o artigo 5.3 da Convenção Quadro, que permite participar somente as instituições que comprovadamente apoiam a implementação do tratado. Se o Brasil, durante o Governo Lula, não tivesse ratificado a Convenção, não teríamos este problema. Mas, estaremos lá, levando informações e dados sobre a produção e o significado do tabaco na renda da propriedade rural e também dos municípios, Estados e do próprio país”, enfatiza Schneider.

MOP 1

As discussões sobre o mercado ilegal terão a sua primeira reunião própria, logo após o término da COP 8. De 8 a 10 de outubro será realizada a primeira sessão da Reunião das Partes (MOP 1) do protocolo para Eliminar o Comércio Ilegal de Produtos do Tabaco. Os países que ratificaram o protocolo definirão prioridades e ações.