Abertura dos Jogos terá criatividade e “gambiarra” para superar baixo orçamento

Janine Niedermeyer
agosto04/ 2016

A cerimônia de abertura dos Jogos Olímpicos do Rio de Janeiro terá um orçamento menor que as festas que deram início às últimas edições dos jogos. Sem divulgar o orçamento, os diretores e produtores da cerimônia informaram hoje (4) que o espetáculo vai apostar em projeções, criatividade e no “espírito da gambiarra” e que será lembrado como uma cerimônia cool (descolada).

“A gente teve muito menos do que qualquer uma das últimas cerimônias. Trabalhamos usando essa força a nossa favor. Temos uma coisa de alta tecnologia, que é a projeção. Para o resto, nos viramos nos 30, mas acho que vamos entregar”, afirmou o diretor Criativo, Andrucha Waddington, que contou ter recorrido ao centro de comércio popular do Rio de Janeiro.

Maracanã

A também diretora Criativa Daniela Thomas explicou que o Estádio do Maracanã impôs algumas dificuldades à cerimônia, como ter portões de entrada de apenas dois metros, cadeiras próximas ao campo e menos espaço para o “palco”, por não ter uma pista olímpica.

“Tínhamos um orçamento muito abaixo da expectativa em relação a um espetáculo dessa natureza, mas acho que estamos acostumados com esse tipo de questão. O espírito da gambiarra é importante aqui no Brasil”, acrescentou Daniela. “Isso não é uma coisa sacrificante. Não é um ‘coitados de nós’. Gambiarra rocks, gambiarra é maravilha, gambiarra é pura criação.”

Para superar essas dificuldades, Daniela disse que os criadores buscaram um “repetório analógico”, consultando, inclusive, técnicas usadas em festas da Grécia e Roma clássicas.

“Não tinham tecnologia, mas não deixavam de encantar”, destacou Daniela. Ela afirmou que as atrações musicais se apresentarão sem receber cachê. Estão confirmados Caetano Veloso, Gilberto Gil, Anitta e Ludmilla, por exemplo. Conforme a diretora, a ideia é misturar a música consagrada no Brasil com sucessos recentes e populares.

Orçamento

Diretor de Cerimônias da Rio 2016, Leonardo Caetano afirmou que a solução “gambiarra” vai produzir um bom resultado. “Isso não é só statement. Usamos isso no dia a dia, buscando soluções que, no fim, tem efeito espetacular”.

O orçamento da cerimônia de abertura não será divulgado separadamente, segundo a Rio 2016. Em vez disso, será disponibilizado em conjunto com o da cerimônia de encerramento e com as cerimônias paralímpicas.

A explicação do comitê é que os contratos foram firmados para todas as festas e, por isso, há apenas um orçamento. A expectativa é que entre 3 e 5 bilhões de pessoas assistam à cerimônia em todo o mundo e que o público no Maracanã seja de 50 mil pessoas.

Michel Temer

Os organizadores afirmaram que Michel Temer vai participar da cerimônia de abertura identificado como presidente interino e que não discursará no evento. Temer deve fazer apenas a declaração protocolar de abertura dos jogos.

O produtor executivo da cerimônia, Marco Balich, afirmou que as cerimônias olímpicas entram para a memória coletiva global sem que o chefe de Estado tenha papel de destaque. “Se você olha para trás, não lembra quem eram os chefes de Estado.” Os organizadores negaram que tenham preparado alguma forma de abafar possíveis vaias ao presidente durante a cerimônia. “Nunca pensamos sobre isso”, afirmou Andrucha. (Agência Brasil)