• Hoje é: segunda-feira, novembro 19, 2018

Ministério da Agricultura recebe reivindicações do setor do tabaco na COP7

Guilherme Siebeneichler
novembro09/ 2016

Em reunião realizada nesta quarta-feira, 9, em Greater Noida, na India, onde está sendo realizada a Conferência das Partes para o Controle do Tabaco, a comitiva de Parlamentares e lideranças do setor se reuniram com o Secretário Substituto de Política Agrícola do Ministério da Agricultura, Savio Pereira, representante do MAPA na Conferência, onde encaminharam reivindicações do setor para serem debatidas nas reuniões temáticas que serão realizadas nos dias 09 e 10 de novembro, na Conferência.

“Recebi do Ministro Blairo, a orientação de me reunir hoje com o grupo de parlamentares presentes aqui na Índia, para que fossem encaminhadas demandas do setor afim de serem debatidas nas reuniões internas há serem realizadas hoje é amanhã na COP 7”, destacou Savio Pereira.

Os deputados Adolfo Brito, Marcelo Moraes, Pedro Pereira, Zé Nunes e Edson Brum, juntamente com o presidente da AFUBRA, Benício Werner e o Secretário Geral da entidade, Romeu Scheneider, encaminharam as seguintes reivindicações para encaminhamento nos debates técnicos da COP7:

* Que a Organização Mundial do Comércio (OMC), siga a entidade principal que trate das questões comerciais do Tabaco, sem a migração do tema para a Organização Mundial da Saúde (OMS), tendo em vista que o Rio Grande do Sul é o maior exportador mundial do fumo em folha.

* Que qualquer projeto que vise a diminuição do teor da nicotina, seja implementado de forma gradual e que passe por uma legislação nacional primária, tendo em vista que essa medida tem mais interesse comercial de outros países devido a qualidade do tabaco brasileiro.

* Implantação de uma política efetiva de controle e combate ao comércio clandestino e contrabando de cigarros no Brasil, visto que essa medida tem efetiva atuação no aspecto da saúde pública quanto a proteção do produtor de tabaco.

* Não restrição ao acesso do Crédito Rural aos produtores de Tabaco do Brasil.

CRÉDITO: AI Assembleia Legislativa